Zika vírus, uma preocupação para as futuras mamães.Conheça um pouco mais sobre o assunto e saiba como se prevenir

 

 

 

O Zika vírus tem se disseminado rapidamente pelas Américas desde a sua primeira identificação no Brasil em 2015. Sabe se que a infecção perinatal pelo Zika vírus tem grande potencial teratogênico com consequências graves, principalmente, mal formação cerebral como a microcefalia, a artrhogripose (uma doença caracterizada por contraturas musculares) e, em alguns casos, vírus pode desencadear abortos. Essas informações são confirmadas por meio da identificação do vírus em crianças afetadas.

Sintomas como febre baixa, dores articulares, manchas pelo corpo e conjuntivite podem identificar a infecção pelo Zika vírus. Entretanto 80% das pessoas acometidas não apresentam nenhuma manifestação. De acordo com estudos iniciais, acredita se que 29% das gestantes acometidas pelo Zika vírus venham a apresentar problemas no feto.

Os testes comprobatórios ainda são limitados e caros. O governo brasileiro está desenvolvendo um teste tríplice para a identificação simultânea da Dengue, da Chikungunya e da Zika com previsão de vinculação até o final de 2016.

Mas, mesmo que identificada a presença da infecção pelo Zika vírus não há o que fazer. Por isso em meio a tantas dúvidas e questionamentos a Organização Mundial de Saúde preconiza que as mulheres das áreas endêmicas, o que incule o nosso país, não engravidem neste momento.

Mas o que fazer se já estamos grávidas?
1. Combater o mosquito em nossa própria residência. A fêmea pica em qualquer horário com predileção pelo início da manhã e no final da tarde. Geralmente as picadas são comuns nas pernas e pés, pois o mosquito voa a uma altura menor que dois metros.

2. Uso de telas protetoras nas janelas e mosqueteiros. As telas necessitam ter o diâmetro menor que 0,5 cm em cada quadrado para impedir a passagem do mosquito.

3. Uso de repelentes elétricos em todos os cômodos da casa, preferencialmente próximo a porta de entrada. O uso de repelentes naturais não tem nenhuma eficácia comprovada.

4. Uso de repelente a base de Icaridina a 25% ou DEET 10% a 50% spray ou aerossol. Aplicar em todo o corpo e sobre as roupas. Aplique o repelente sobre o filtro solar e sobre a maquiagem, se possível aplicar 15 minutos após. Reaplicar de acordo com o tempo orientado pelo fabricante.

5. Uso de preservativo, pois a transmissão sexual já e comprovada cientificamente. O Zika vírus também já foi identificado na saliva e no leite materno, mas ainda não há evidências que sejam transmitidos por estas vias.

6. Ingestão de complexo B e outros alimentos que modifiquem o cheiro do suor para confundir o mosquito. A quantificação da ingestão de cada alimento ou vitamina ainda não foi determinada.

7. Uso de roupas longas e preferencialmente claras e sempre com uso de meias e sapatos fechados.

Portanto, todas as informações sobre o Zika vírus e os demais cuidados necessários durante a gravidez, você poderá obter por meio do acompanhamento pré-natal, que na Clínica da Mulher e da Gestante é realizado de maneira criteriosa e humanizada por sua competente equipe médica.

Dra Grace Daniella
Obstetra e Pré natalista de Gestação de Alto Risco