Hora de dar adeus às fraldas

A retirada da fralda é uma etapa permeada por dúvidas e insegurança. Muitas vezes, nos perguntamos se é mesmo a hora certa ou se estamos exigindo demais da criança. Fato é que esse momento permite aos pequenos experimentarem uma sensação de maior independência e controle do próprio corpo. Mas, para que esta etapa transcorra de forma saudável e tranquila, é preciso que os pais e a escola sejam parceiros, identificando sinais de maturidade nas crianças.

Em geral, os pais ficam orgulhosos em poder dizer que seus filhos já fazem xixi e cocô no penico. No entanto, como qualquer outra mudança de hábito, esta também deve respeitar a individualidade e o ritmo de cada um. O momento adequado, muitas vezes, é demonstrado pela própria criança, por volta dos dois anos de idade, que sinaliza para os pais já estar pronta para iniciar o processo de retirada da fralda, quando, por exemplo, avisa que quer fazer xixi e demora um tempinho a mais para fazer cocô, busca imitar os irmãos ou amigos mais velhos, pede para sentar no vaso sanitário ou passa mais horas com a fralda seca.

No início, a criança se recusa a usar o penico ou vaso, principalmente pelo fato de não assimilar a finalidade destes objetos ou pelo simples medo de cair. A recomendação para os pais, babás ou monitores é mostrar que ela está ali para fazer xixi ou cocô e segurá-la pelas mãos. Também é importante dizer à criança que outras pessoas também utilizam o vaso e/ou penico. O choro durante o aprendizado é normal, pois os pequenos ainda não entendem o porquê de ficarem sentados ali. Se o choro persistir, retire a criança do penico e só volte a colocá-la ali depois de passado certo tempo.

Não se deve colocar a fralda na criança após o início de sua retirada, por isso, é importante se adaptar às situações adversas. No caso de diarreia, por exemplo, basta trocar a roupa, além de redobrar os cuidados com a higiene, para evitar assaduras. O mesmo ocorre em passeios, viagens, festas e outras situações. Dessa forma, evita-se que ela faça confusão quanto ao lugar e ao momento em que pode – ou deve – fazer suas necessidades no vaso/penico ou na fralda. Por outro lado, o uso de fraldas à noite ou durante o sono diurno deve continuar. Leve a criança ao banheiro antes de ir para a cama e, ao colocar a fralda, diga que é hora de dormir ou descansar.

Essa mudança não afeta só a criança, mas também os pais e a escola, responsáveis pelo rito de passagem. Cabe à instituição de ensino dar continuidade às ações levadas adiante em casa e fomentar a autonomia dos pequenos. Todo esse processo de transição deve ser encarado como uma boa experiência, cujo objetivo é estimular o desenvolvimento da criança.

Gislaine Carvalhar, coordenadora pedagógica da Trilha da Criança Centro Educacional.