Escola Infantil - Ajudando na construção de uma autoimagem positiva

Desde que nascemos encaramos o difícil exercício de ver o outro, de sair de um mundo só nosso, onde “egocentricamente” buscamos nossas satisfações para enfrentarmos a socialização, que nada mais é que a inserção num mundo com regras e costumes, do qual queremos fazer parte e por ele sermos aceitos.

A criança se socializa a partir do momento que consegue perceber o outro. Esse processo acontece simultaneamente à construção da sua identidade. No outro ela vê semelhanças e comportamentos que tenta imitar, mas o que a torna única são seus desejos, suas preferências e características próprias. Aos poucos ela aprenderá a valorizar essas características, tendo uma autoestima elevada, ou aprenderá a desprezá-las, construindo uma baixa autoestima.

A escola é uma grande parceira na construção da identidade e autoimagem positiva das crianças. Todos que, direta ou indiretamente, com ela convivem, são agentes desse processo. Somos construtores de personalidades. A chegada de um filho para seus pais e de um aluno para seus professores e demais educadores, remete um compromisso com sua formação cognitiva, física, emocional e, porque não dizer, integral.

Vamos repensar nossa atuação e enumerar aspectos que podem ajudar na construção de uma autoimagem positiva. Infelizmente ainda prevalece aquela cultura negativa, onde o errado sobressai. Devemos exercitar o positivo, abrir os olhos para o certo, para o esforço, para a caminhada e suas conquistas, porque elas acontecem o tempo todo, apenas não tem a atenção devida. Deixe-a perceber que você torce por ela, que você acredita nela e orgulha-se dela.

Sua criança deve ser vista e ouvida. Dê a ela oportunidade de expressar seus sentimentos, desejos e opiniões. A atenção e a receptividade com que acolhemos nossas crianças fazem com que se sintam valorizadas, respeitadas e confiantes. Seja exemplo, mantendo coerência no que se faz e se cobra dela. Se minha criança deve me ouvir quando falo com ela, eu também devo ouvi-la; se não quero que grite comigo, devo fazer o mesmo, e assim as coisas fluem com mais harmonia e respeito, contribuindo para autoimagem positiva de si.

Devemos assumir uma parceria na educação das crianças: pais, professores, avós, babás e todos os que estão por perto, deixando bons exemplos, olhares de amor e carinho, palavras positivas, escuta atenciosa... A criança é como uma esponja que consegue absorver tudo à sua volta, inclusive fazer leituras que apenas sua sensibilidade lhe permite fazer.

A partir do momento em que nos foi dada essa missão, de pais, educadores e cuidadores, ou que a abraçamos de livre e espontânea vontade, cabe a nós exercê-la com responsabilidade, ajudando as crianças na construção da sua identidade, autoestima e autoimagem positiva.

Lilian de Oliveira Costa
Diretora Pedagógica da Escola Visconde de Sabugosa
Pós graduada em Alfabetização e em  Neurociências